Simples Agenda Blog para pequenas empresas

Dicas para controlar e melhorar o capital de giro durante a crise

FINANCEIRO

Gabriela Vitória Redatora Freelancer
13 min leitura 19/05/2020

Controlar o capital de giro para enfrentar a crise é essencial para a sobrevivência de qualquer negócio. Pois esse momento gera uma redução nas vendas e os índices de inadimplência dos seus clientes também aumentam, não é?

E sem dinheiro em caixa fica difícil quitar as folhas de pagamento, honrar os compromissos assumidos com os fornecedores e, até mesmo, dar continuidade às operações.

Aí você se pergunta: o que pode ajudar minha empresa a enfrentar esse momento e se preparar para outros que estão por vir? A respostas é controlar com eficiência o capital de giro na crise. Então, confira algumas estratégias que ajudam nesse desafio:

Mantenha um controle rígido do fluxo de caixa

Para aproveitar ao máximo o seu capital de giro atual é essencial ter um controle rígido do fluxo de caixa da sua empresa. Ou seja, você deve monitorar de perto tudo o que você compra e o que você vende.

Por exemplo, um estoque em excesso pode representar dinheiro parado ou dinheiro perdido. Pois os materiais podem se tornar obsoletos ou passar do prazo de validade e, assim, não podem ser vendidos.

Por outro lado, um estoque insuficiente pode resultar em perda de vendas. Ambas situações podem prejudicar ainda mais o seu capital de giro, não é? Nessa hora, um bom software de gestão financeira ajuda a manter esse controle rígido do fluxo de caixa.

Selecione as contas essenciais e corte despesas

O próximo passo é rever as suas contas e definir aquelas que são essenciais para a continuidade do seu negócio e quais são aquelas que podem ser reduzidas ou eliminadas. Como você já tem um controle rígido sobre o fluxo de caixa, provavelmente tem essa resposta.

Ainda assim, cabe lembrar que é extremamente importante saber onde cortar ou não despesas para não afetar diretamente a qualidade dos serviços prestados ou dos produtos vendidos. Nem o bem-estar, a produtividade e a qualidade de vida no trabalho dos colaboradores.

A nossa dica é considerar o aluguel, energia elétrica, internet e verbas com marketing. Geralmente, são pequenos valores economizados, mas quando calculados podem fazer uma grande diferença no final do mês.

Faça uma previsão do fluxo de caixa para os próximos meses

Ninguém sabe ao certo quando uma crise vai acabar, não é? Por isso, o ideal é fazer uma projeção do fluxo de caixa para os próximos meses. Ou seja, crie cenários otimistas e pessimistas sobre o mercado e como isso pode afetar o seu negócio.

Assim, você saberá quais são as condições do seu capital de giro no curto e no médio prazo. Mas como fazer isso? Pense no que acontece se as suas vendas diminuírem 10%, 20% ou 30%, você ainda terá dinheiro o suficiente para arcar com as despesas?

Quando fizer isso lembre-se que os seus clientes atrasarão o pagamento das faturas, pois também estão enfrentando a mesma crise que você. Então, além da diminuição nas vendas você também deve considerar a falta de pagamento.

Renegocie as dívidas com os bancos

Você tem uma dívida bancária e não consegue quitar esse débito por causa da diminuição das vendas e dos clientes inadimplentes? Então, esse é o momento de negociá-la. Mas antes entrar em contato com o banco você precisa se planejar.

Para isso, se assegure que tem condições de manter os pagamentos em dia e defina um valor que será proposto para o pagamento mensal. Feito isso, entre em contato com o banco e discuta sobre a possibilidade de prorrogar prazos ou diminuir a taxa de juros.

Caso não dê certo, você pode transferir essa dívida para outra instituição financeira que oferece empréstimos com taxa de juros menores e condições de pagamentos mais viáveis. Resolva isso o quanto antes para evitar problemas maiores no futuro.

Verifique se há necessidade de aporte de capital

Mesmo tendo um controle eficiente do fluxo de caixa, você pode estar operando no prejuízo. E aí, provavelmente, você terá que recorrer a um aporte de capital. Existem diversas maneiras para que isso possa ser feito sem precisar se endividar em um primeiro momento.

Uma delas é a antecipação de recebíveis. Se você vende por cheques, duplicatas ou cartão de crédito você pode adiantar esse valor para não ficar com o caixa desfalcado, mesmo que pague uma taxa de juros maior por isso.

Outra maneira é atrasar ou cancelar o pagamento de dividendos ou pró-labore. Isso, é claro, se não comprometer a vida financeira dos donos da empresa. Em último caso recorra às linhas de crédito oferecidas pelo Governo oferecidas durante a crise.

Negocie contratos e prazos com os fornecedores

É claro que também é importante negociar com os fornecedores. Você pode tentar negociar prazos maiores para pagamento ou renegociar os contratos de provisão de insumos para não ficar sem capital de giro no curto prazo.

Mas antes de começar essas negociações, revise os contratos para entender as obrigações e responsabilidades das partes. Afinal, você não quer correr o risco de infringir o acordo entre vocês e, assim, e perder um parceiro comercial, não é?

Diante de uma negativa, recomendamos que não deixe de pagar os seus fornecedores. Pois pode comprometer negociações futuras quando a crise acabar. Uma saída é investigar se produtos semelhantes podem ser adquiridos de outros fornecedores.

Se necessário, negocie com os colaboradores

Durante uma crise, muitas empresas se veem obrigadas a dispensar parte dos seus colaboradores. Mas, se possível, adote essa medida em último caso. Pois os colaboradores além de dependerem do emprego eles também são importantes para a sobrevivência da sua empresa.

Uma alternativa é recorrer a redução na jornada de trabalho e nos salários dos colaboradores. Ou a suspensão temporária dos contratos de trabalho para evitar as demissões. Mas é preciso ter cautela, pois você precisa analisar os acordos de trabalho coletivo antes de tomar qualquer atitude.

Também estar atento às regras da medida provisória vigente. Pois ao adotar, por exemplo, a suspensão do contrato de trabalho, você precisa garantir o emprego dos colaboradores durante a crise e pelos meses seguintes.

É difícil prever o impacto e a velocidade de uma crise, como o coronavírus, na economia e no caixa das empresas. Para evitar o agravamento que uma crise pode trazer para o seu negócio que é tão importante ter um controle rigoroso no capital de giro.

Aqui você viu algumas estratégias para contornar essa situação e não deixe de segui-las para evitar contratempos no futuro. Para ajudá-lo a ter um melhor controle do capital de giro na crise conheça o Simples Agenda. Esse gerenciador financeiro permite controlar o fluxo de caixa e automatizar os processos por meio da integração com vendas.


Gostou do texto? Leia também: o que é fluxo de caixa e o que ele pode fazer para sua empresa?